As vezes a gente só precisa de um Haven Park

Gosto de como alguns jogos tiram a gente da realidade com situações corriqueiras. Somos facilmente fisgados por comportamentos básicos como caminhar e contemplar, por exemplo. Muitas vezes nem precisamos participar, apenas observar, de longe mesmo. Flint, uma criaturinha amarela e cabeçuda, recebe a missão de restaurar um tipo de parque anteriormente administrado pelo seu avô. O parque comporta diversas coisas temáticas de acampamentos e parques de diversões, tem desde barracas à bangalôs, fogos de artifício à roda gigante, e até teleférico. Entretenimento nesse lugar não falta, mas calma lá, não é exatamente sua colonia de férias, tá mais para um trabalho de meio período não remunerado.

Haven Park é o tipo de jogo com veia de exploração, embora mais voltado para o lado contemplativo. Conforme você caminha pelo parque, encontra alguns objetos e segredos, e logo é fisgado para dentro do mundinho do jogo. Enquanto você direciona Flint para algum lugar de seu interesse, admira a beleza natural, os nativos e como o sutil comportamento orgânico do parque funciona. É relaxante explorar o parque, participar da sua construção e acompanhar sua ascensão depois de um aparente longo período em manutenção.

É tão gostoso de jogar como ver esse trailer

Em meio a tanta coisa acontecendo na nossa vida, e na grande maioria dos jogos que estamos habituados a jogar, Haven Park chega como um pé no freio, e simplesmente respiramos melhor. As vezes a gente só precisa de um refúgio…

Deixe um comentário