[Análise] Uma aventura com seu próprio Viking Squad

em Análises/Console/PC por

Viking Squad repete a receita de bolo dos jogos do gênero beat ’em up com apreço a mitologia nórdica, e se destaca oferecendo uma legítima sensação de aventura. O jogo é sem delongas e direto ao ponto, escolha entre local ou online, se preferir encaixe até mais 2 jogadores, pegue um dos quatro personagens disponíveis, e embarque no seu navio.

Depois do primeiro de muitos desembarques você logo conhece Loki, criaturinha travessa que atrapalhará sua jornada, e deverá lidar com ele para abrir os portões de Valhala. Desbravar novos lugares, encarar inimigos de todos os tipos, e voltar para a base com o navio lotado de tesouros é a vida de um viking em Viking Squad. Confrontos diversificados e bom humor entre companheiros desperta sensação de aventura que toma conta.

Você não precisa de muitos botões para começar a bater nos inimigos. A pancadaria flui freneticamente ao pressionar um botão várias vezes para ataques comuns, e outro para ataques mais poderosos.  A simplicidade dos comandos combinada com aperfeiçoamentos e equipamentos dão ao jogo velocidade de ação e reação balanceada que evita a sensação de repetição.

Os aperfeiçoamentos de saúde, runa e força, desencadeiam novas combinações de ataques, e em decorrência melhorias no condicionamento, portanto é um investimento básico acertado. Além disso a boa quantidade de equipamentos como armas e capacetes melhoram ainda mais sua condição e até acrescentam novas possibilidades.

Seu progresso no jogo depende dos tesouros encontrados. As localizações e seus inimigos geralmente guardam dois tipos de riquezas: as comuns (moedas), e as valiosas (troféus, coroas e objetos raros). As riquezas comuns são permanentes e compram itens de única utilização como poção de saúde e chave, já as valiosas são temporárias, e devem ser gastas durante sua estadia na base com aperfeiçoamentos e equipamentos.

Viking Squad: Deixa eu levar o peixe de ouro!
Deixa eu levar o peixe de ouro!

A dificuldade é um pouco relativa, então dependendo do seu investimento em armamento, equipamento e condição do personagem pode ser mais, ou menos desafiadora. O equilíbrio está nos pequenos detalhes das adversidades. Alguns inimigos requerem investidas aguçadas, armadilhas de fase atrapalham um bocado, carregar objeto raro no braço e protegê-lo é dureza, e batalhas entre alguns chefes exigem tanto das condições do seu personagem quanto da sua própria capacidade de percepção. Quem gosta de desafios extremos terá uma surpresa ao fechar o jogo pela primeira vez.

Viking Squad até diverte em jogatina solo, mas a companhia de amigos faz toda a diferença. A maneira que os elementos principais do jogo foram planejados muitas vezes clama pelo trio fechado. Você não ficará travado em parte alguma por estar desacompanhado, mas quando estiver, além de se divertir muito mais, conseguirá lidar melhor com todos os acontecimentos.

Viking Squad: O peso da mão desse chefe não é brincadeira não.
O peso da mão desse chefe não é brincadeira não.

A mitologia nórdica latente na temática do jogo inspira seu visual rústico caprichado. O trabalho a mão do artista Jesse ‘Drawbarian’ Turner referencia com seu estilo único esse período histórico nas localizações, equipamentos, inimigos e personagens. Os efeitos sonoros cumprem seu papel muito bem, especialmente na sensação de impacto dos ataques, algo imprescindível para a imersão. A trilha sonora é das melhores, as composições do A Shell in the Pit são cheias de energia e se encaixam perfeitamente nos acontecimentos, mas acaba sofrendo para se destacar por conta do desequilíbrio com os efeitos sonoros.

Basta um primeiro contato para sentir a diversão. Viking Squad tem seu próprio jeito de transforma você em um viking parrudo que bate nos inimigos como se não houvesse o amanhã. Quando embarcar, lembre-se que é melhor estando acompanhado.

Um cara de vinte e poucos anos apaixonado pelas coisas pequenas da vida. Desenvolvedor e ascendente escritor. É editor no Joguindie, seu maior xodó. Sua vida é repleta de coisas para fazer, pouco tempo para si, muito trabalho árduo e determinação. Gosta de jogar, ouvir músicas, ler quadrinhos, assistir filmes e animes, comer salgadinho, beber refrigerante, ficar em casa, e tantas outras coisas simples, mas valiosas para sua vida.

2 Comentários

Deixe um comentário

Mais recente em Análises

[Análise] Slayaway Camp

Slayaway Camp homenageia os filmes de terror clássico de maneira cômica através
Ir ao Topo