[Análise] The Witness é uma verdadeira obra prima

em Análises/Console/Mobile/PC por

Quando Braid foi lançado, pouco sabia sobre jogos indie, mas já florescia um amor nato por esses jogos ainda na adolescência. Braid é provavelmente um dos jogos indie mais marcantes que tive o prazer de jogar, sua mecânica refinada e profundidade trouxe concepções únicas que revigoraram o gênero de plataforma.

Embora pareça ontem que joguei Braid pela primeira vez, a prova contrária é The Witness, novo jogo produzido pela Thekla, desenvolvedora comandada por ninguém menos que Jonathan Blow. Lembro de quando The Witness foi anunciado, sem muito alarde e poucas informações, havia apenas um site simples com uma breve citação e alguma coisinha a mais. Desde então estive esperando pelo momento que poderia jogá-lo.

The Witness é um jogo baseado em puzzles com elementos de exploração que se passa em uma esplêndida ilha.

Acordado em um lugar lindo e desconhecido.
Acordado em um lugar lindo e desconhecido.

A ilha é um lugar completamente conectado, interligado por fios que são ligados através de painéis. Tudo aparenta ter um propósito e até um simples galho parece ter sido modelado à dedo. Maestria define bem o trabalho alcançado pelos envolvidos no desenvolvimento de The Witness.

À primeira vista é tudo lindo e cheio de esplendor, mas tanta beleza esconde enigmáticas descobertas. Como um novo habitante da ilha, explorá-la aos mínimos detalhes é a única maneira de compreender algo, ou pelo menos tentar.

É fundamental explorar para descobrir, estudar para aprender, e entender para progredir. O bom aprendizado e entendimento favorecem significativamente sua progressão puzzle após puzzle. Se você entender aquilo que está aprendendo e souber armazenar de forma eficiente, boa parte dos puzzles ainda serão um desafio único, mas familiar. The Witness força seu raciocínio a trabalhar por soluções criativas como poucos jogos conseguiriam.

Uma vida atrás de uma tela movimenta um ser à procura de descobertas.
Uma vida atrás de uma tela movimenta um ser à procura de descobertas.

Manter sua perspicácia aguçada em uma vasta ilha repleta de puzzles complexos por toda parte facilita um pouco do raciocínio necessária para continuar progredindo. Os puzzles desafiam você, e muita das vezes encontrar soluções lógicas assemelha a procurar uma agulha no palheiro.

Detalhes são deixados em todas as partes, ficar atento a eles é uma tarefa árdua, porém uma perspectiva adaptada as peculiaridades de cada localização abrem seus olhos para possibilidades inimagináveis. Algo visto de um lado pode ser completamente diferente se visto de outro e desandar sua linha de raciocínio.

Muitas cicatrizes foram deixadas na ilha por indícios de civilização, catástrofes naturais e outros acontecimentos desconhecidos. O puzzle mais desafiador provavelmente é achar respostas para tantos questionamentos.

As soluções e descobertas enchem seus olhos de brilho e dão força para você continuar.
As soluções e descobertas enchem seu coração de satisfação e dão força para você continuar.

Apesar da premissa simples, o nível de dificuldade é absurdo, desafiando até os jogadores mais habilidosos com puzzles. Esqueça quaisquer meios que possam facilitar a sua vida, é preciso se esforçar de verdade para solucionar os painéis mais complexos.

Sensações são despertadas em sua alma, preenchendo qualquer vazio dela por algo pouco explicável, mas revigorante. A perfeição de um lugar projetado com tanto esplendor toca você profundamente. Quando sair será tomado por um vazio, retornar várias vezes será inevitável.

Um jogo tão profundo a ponto de tirar palavras de gratidão de quem joga. The Witness é impressionante, marcante, e memorável. Sou a testemunha de uma verdadeira obra prima.

Um cara de vinte e poucos anos apaixonado pelas coisas pequenas da vida. Desenvolvedor e ascendente escritor. É editor no Joguindie, seu maior xodó. Sua vida é repleta de coisas para fazer, pouco tempo para si, muito trabalho árduo e determinação. Gosta de jogar, ouvir músicas, ler quadrinhos, assistir filmes e animes, comer salgadinho, beber refrigerante, ficar em casa, e tantas outras coisas simples, mas valiosas para sua vida.

Deixe um comentário

Mais recente em Análises

[Análise] Slayaway Camp

Slayaway Camp homenageia os filmes de terror clássico de maneira cômica através
Ir ao Topo