[Análise] SwapQuest acerta ao combinar puzzle com RPG

em Análises/Console/Mobile por

Um pouco mais de dois anos depois de ter sido lançado para dispositivos móveis com iOS e Android, SwapQuest para PS Vita finalmente ficou pronto. SwapQuest é uma inusitada combinação de puzzle com RPG produzido quase unicamente por Constantin Graf.

SwapQuest conta a história de uma princesa e um príncipe cujo reino foi invadido e devastado por hordas de demônios. Escolha entre a princesa ou o príncipe, e em seguida a classe que deseja para iniciar sua aventura e resgatar o reino tomado pelo mal. Embora seu começo transpareça aos clássicos RPGs, boa parte da genialidade do jogo está no conceito de puzzles aparentemente inspirado em Pipe Mania.

As fases do jogo são completamente preenchidas por ladrilhos. Os ladrilhos representam muitos elementos do jogo como por exemplo caminhos, baús e monstros; organizar esses ladrilhos de acordo com os movimentos do personagem é seu dever. O movimento é constante, a fase precisa seguir em frente mesmo sem você, então é preciso ser ágil ao escolher ladrilhos de caminhos, porque sua organização correta abre caminhos, e ao contrário fecha. Concluir uma fase ou deixar de fazer uma bônus é um caminho sem voltar, portanto aprecie bem cada fase.

Controlar o personagem é bem desafiador por causa do ritmo geralmente acelerado de cada fase. Você tem alguns segundos para executar ações, considere parar o personagem em constante movimento para avaliar a situação dos ladrilhos uma tarefa emergencial. Manipular os ladrilhos de acordo com seus desejos vai depender das condições de acesso para cada elemento.

Trace seu próprio caminho!
Trace seu próprio caminho!

A jogabilidade pode frustrar alguns jogadores pouco habituados devido a variedade de ladrilhos para lidar ao mesmo tempo. Em uma tela de toque essa jogabilidade talvez fosse um desastre se houvesse a necessidade de girar os ladrilhos. A versão do jogo para PS Vita felizmente suporta os controles tradicionais do portátil, e acredite, a experiência é melhor do que em uma tela de toque.

A versão do jogo para PS Vita pode ser considerada definitiva. Diversos aprimoramentos foram realizados, novos conteúdos adicionados, incluindo níveis, lutas entre chefes, a classe Tinkerer, além do total suporte aos controles de toque e botões do portátil da Sony.

Apesar de parecer um jogo pequeno, SwapQuest dispõe de uma quantidade considerável de conteúdo. As joias conquistadas podem ser usadas de muitas formas, inclusive depositadas para garantir sua segurança. Você pode trocar as joias por aprimoramentos, armamentos e armaduras na Caravana. Há algumas fases bônus com desafios para serem batidos.

Nostálgico estilo de mapa...
Nostálgico estilo de mapa…

O estilo retrô está presente em cada detalhe de SwapQuest, incluindo visuais e sons. Os visuais feitos em pixel art ao melhor estilo 16-bit pelo artista Jussi Simpanen agradam pela sua simplicidade em detalhes e características vibrantes. Os sons cumprem muito bem seu papel enquanto a trilha sonora oferece composições relaxantes e climáticas do músico André Weiß.

Há algum tempo puzzle com RPG é uma combinação acertada — Puzzle Quest que o diga —, criar uma legítima experiência já é outra história... SwapQuest soube tirar proveito da inusitada combinação ao propor uma prazerosa e estimulante maneira de solucionar puzzles como parte de uma aventura.

Um cara de vinte e poucos anos apaixonado pelas coisas pequenas da vida. Desenvolvedor e ascendente escritor. É editor no Joguindie, seu maior xodó. Sua vida é repleta de coisas para fazer, pouco tempo para si, muito trabalho árduo e determinação. Gosta de jogar, ouvir músicas, ler quadrinhos, assistir filmes e animes, comer salgadinho, beber refrigerante, ficar em casa, e tantas outras coisas simples, mas valiosas para sua vida.

Deixe um comentário

Mais recente em Análises

[Análise] Slayaway Camp

Slayaway Camp homenageia os filmes de terror clássico de maneira cômica através
Ir ao Topo