[Análise] SteamWorld Heist é épico em todos os sentidos dos tiroteios táticos

em Análises/Console/Mobile/PC por

Em meados de 2010 os robôs caubói mais legais do oeste estrearam no tower defense SteamWorld da Image & Form. Alguns anos depois, SteamWorld Dig expandiu incrivelmente os solos virgens desse universo com premissa exploratória viciante. SteamWorld Heist aproveita esse universo bem resolvido em jogos anteriores,  e segue por um caminho desconhecido e emocionante.

Os robôs caubói estão mais em cena do que nunca, e finalmente em ação. Pela primeira vez em um jogo da série SteamWorld podemos chutar bundas mecânicas com direito a slow motion na derrubada. SteamWorld Heist propõe tiroteios baseado em turnos repletos de boas sacadas no estilo faroeste espacial.

Você é Piper Faraday, capitão pirata conhecido pelos botecos do espaço por chutar bundas mecânicas. Sua aventura no espaço começa sem rum, mas com um chapéu maneiro, arma na mão esquerda, e companheiros fieis. Uma galera da pesada começa a importunar o espaço, e você precisa fazer jus aos rumores enquanto não é capaz de resolver o maior dos problemas. O tiroteio começa em poucos minutos, e é muito divertido.

Em naves inimigas estruturadas com instalações randômicas você espera sua vez, e faz coisas no seu tempo. Algo questionável quanto ao conceito baseado em turnos durante tiroteios é justamente como iria ficar a troca de tiros, mas felizmente a Image & Form encontrou uma solução, assim como XCOM e Worms encontraram, coincidentemente inspirações nesse processo primordial de SteamWorld Heist. O fator espere sua vez para agir é pensado de forma instantânea, e a mecânica funciona como um puxar de gatilho preciso, evitando engasgos das influências do gênero. A sensação é das melhores! Você se sente um caubói sacando sua arma em momentos de necessidade.

O funcionamento das armas em ação é do tipo aponte e atire dependendo das suas características, algumas possuem mira, muito útil para quem gosta de acertar inimigos com auxilio do ricochetear das balas. As possibilidades de tiroteio são diversas, mas há limitações por vez, exemplos comuns são: quando o movimento é longo, você perde a chance de atirar, ou quando já atirou, perde a capacidade de se movimentar. A harmonia que os tiroteios acontecem engajam você em uma experiência estimulante e muito, mas muito divertida.

Como as fases possuem design inteligente, você consegue avaliar seus pontos fortes e fracos para planejar tiros precisos sem levar grandes danos. Muitas vezes a dificuldade é ditada pela estrutura das fases e suas possibilidades, já que a inteligência artificial dos inimigos as vezes é meio sem noção.

SteamWorld Heist: Gostei muito do seu chapéu não, mas quero mesmo assim.
Gostei muito do seu chapéu não, mas quero mesmo assim.

Há muitas coisas para conquistar, começando nas fases, sempre tão recheadas de recompensas, inclusive chapéus, uma das melhores! — Maneiro seu chapéu! Fica paradinho aí! Prometo que meu tiro será certeiro em direção a sua cabeç… digo! Chapéu.

Toda água (ouro do espaço) pode ser trocada nos botecos do espaço por armamento, itens e melhorias, além de ser colocada em jogo a cada fase, podendo ser comprometida em doses nada generosas se você deixar sua lataria cair.

Piper não está sozinho. Aos poucos novos companheiros podem ser recrutados. Cada companheiro possui habilidades únicas, e dependendo da fase, pode ser condição de vitória.

O simples, mas estimulante conceito de progressão dos personagens através de níveis molda suas habilidades. A cada nível batido uma habilidade diferente é desbloqueada, depois de alguns níveis, seus personagens estão incrivelmente habilidosos para encarar diversas possibilidades durante os tiroteios, alguns até mais que os outros devido suas próprias habilidades adormecidas.

SteamWorld Heist: Tem música boa de fundo...
Tem música boa de fundo…

Que trilha sonora! O faroeste estilo steampunk retratado no jogo teve seu espírito elevado pela trilha sonora maravilhosa, daquelas de parar no menu do jogo para ficar curtindo. O grupo Steam Powered Giraffe fez para SteamWorld Heist algo sob medida misturando com sons próprios de maneira boemia e inesquecível.

Os visuais de SteamWorld Heist são claramente inspirados em SteamWorld Dig, todavia estão muito a frente. Há riqueza em detalhes, iluminação refinada, e muita personalidade. Ressalvas para telas pequenas, já que a beleza é melhor aproveitada em telas grandes, então nos portáteis a visibilidade reduzida acaba ofuscando um pouco dos detalhes.

SteamWorld Heist tem uma proposta simplificada e ainda sim desafiadora. Provavelmente um dos melhores jogos indie de estratégia baseado em turnos que você pode jogar. A diversão está em cada parte do jogo disposta a fisgar seu interesse de várias maneiras.

Um cara de vinte e poucos anos apaixonado pelas coisas pequenas da vida. Desenvolvedor e ascendente escritor. É editor no Joguindie, seu maior xodó. Sua vida é repleta de coisas para fazer, pouco tempo para si, muito trabalho árduo e determinação. Gosta de jogar, ouvir músicas, ler quadrinhos, assistir filmes e animes, comer salgadinho, beber refrigerante, ficar em casa, e tantas outras coisas simples, mas valiosas para sua vida.

2 Comentários

    • É um jogo realmente interessante e muito divertido.

      Sobre o site, muito obrigado pelo apoio. 🙂
      Estamos trabalhando em uma maneira de atualizar com mais frequência, em breve mais detalhes.

Deixe um comentário

Mais recente em Análises

[Análise] Slayaway Camp

Slayaway Camp homenageia os filmes de terror clássico de maneira cômica através
Ir ao Topo