Shadow Warrior 2

[Análise] Vamos matar demônios em Shadow Warrior 2

em Análises/Microsoft/PC/Sony por

Shadow Warrior 2, o jogo desenvolvido pela Flying Wild Hog e publicado pela Devolver Digital, é a sequencia do aclamado Shadow Warrior, que se originalizou em 1997 e recebeu um reboot em 2013. Misturando elementos de ação, aventura, tiro em primeira pessoa e muito humor, no melhor jeito filme dos anos oitenta.

Shadow Warrior 2 traz algo que os jogadores estão carentes hoje em dia, algo que poucos jogos conseguem trazer, — bebendo demais da fonte do DOOM — os elementos de violência, combates frenéticos, variedade de armas gratificante, dão a experiência de satisfação ao simplesmente matar com um tiro de shotgun frente a frente um demônio, ou então cortá-lo em pedacinhos com a katana, utilizar de seus poderes especiais para empurrar e até mesmo empalar seus inimigos, tudo colocado em um contexto irônico e casual.

Cinco anos se passaram desde que Lo Wang destruiu a aliança entre seu antigo chefe e os antigos deuses do reino das sombras. Apesar das nobres intenções, os esforços de Lo Wang para aniquilar a escuridão corromperam o mundo, criando uma estranha e selvagem ordem nova na qual humanos e demônios vivem lado a lado.

Shadow Warrior 2: Olha o Lo Wang ai! Olhando assim, não da nada pra ele né?
Olha o Lo Wang ai! Olhando assim, não da nada pra ele né?

E estamos no controle de Lo Wang, o nosso querido protagonista, que não tem seu passado citado abertamente no contexto durante o jogo, mas que conquista a carisma do jogador por suas piadas, ironias e até mesmo pela sua altíssima estima.

Evitando SPOILERS, é necessário dizer que o enredo é simples, criativo em alguns aspectos e clichê em outros, mas, não deixa de ser interessante, porém, não é o foco, já que a história é curta e o que diverte mesmo, é o combate frenético, que em cada missão ocorre diversas vezes, tanto em missões principais, quanto em missões secundárias, sendo de uma maneira divertidamente exagerada a quantidade de inimigos que você enfrenta, alguns são pequenos, já outros chegam a dar arrepios — o primeiro chefão me deu uns calafrios! — Em lutas cativantes contra chefões gigantes, morrer não é uma tarefa difícil, portanto trate de abusar da violência e ousadia que terá sucesso, e preste bem atenção nos diálogos da história durante os combates, irá te arrancar boas risadas.

Shadow Warrior 2: Digamos que a violência do jogo é elevada, mas que só seja um charme a mais!
Digamos que a violência do jogo é elevada, mas que só seja um charme a mais!

Valendo relembrar que não está disponível a dublagem em português, porém, as legendas estão disponíveis
— e com qualidade excelente — para maior compreensão da história e do humor contido no jogo.

Tratando-se de uma sequência de um reboot, podemos comparar a evolução e elogiar também. Shadow Warrior (1997) foi declarado que estava com gráficos ultrapassados, contando com o ano em que foi lançado, já havia títulos com gráficos superiores. Shadow Warrior (2013), o reboot da franquia, veio com gráficos interessantes para sua época, mas ainda sim, não estava em seu melhor desempenho, novamente comparado com o seu ano de lançamento. Mas em Shadow Warrior 2 (2016), foi realizado uma evolução consideravelmente excepcional relacionado aos gráficos, tudo bem detalhado, arriscando até dizer que os cenários são absurdamente lindos, com um trabalho lindo na temática em que o jogo carrega, os artefatos, os monumentos, casas, as montanhas, deram um ar diferente, oferecendo uma experiência elegante para os jogadores.

Shadow Warrior 2: Esse também me deu uns calafrios, ó o bicho vindo!!!
Esse também me deu uns calafrios, ó o bicho vindo!!!

A trilha sonora por sua vez, brilha somente no momento dos combates, com guitarras reproduzindo sons absurdos de bom, aumentando a adrenalina e manuseando bem o emocional do jogador até que ele seja recompensado com a derrota de todos seus inimigos.

A Flying Wild Hog e Devolver Digital conseguiram trazer algo diferente, podendo ser resumido em algo com casualidades eletrizantes e frenéticas. — Difícil não recomendar!

Shadow Warrior 2 oferece uma experiência excêntrica do que há disponível no mercado de jogos, com diversos elementos apresentados, e o melhor, trabalhando bem em cima de cada um.

Comente

Seu endereço de email não será publicado.

*

Mais recente em Análises

[Análise] LEGO Worlds

LEGO Worlds é uma das grandes demonstrações do comprometimento da TT Games
Ir ao Topo