LASTFIGHT

[Análise] LASTFIGHT tem porradaria descompromissada e divertida

em Análises/Console/PC por

O primeiro pontapé da desenvolvedora francesa Piraking é LASTFIGHT, jogo de luta em arena tridimensional que transborda testosterona para até quatro jogadores. O jogo tem uma pegada máscula, e seus lutadores entram em cena com papo reto em francês.

Como o jogo não esconde inspirações nos quadrinhos independentes LASTMAN, seus personagens demonstram potenciais tramas prontas para serem aproveitadas, porém acabam arremessados dentro de uma história boba de maneira desinteressante, sem direito a apresentações decente. O primeiro modo de jogo de LASTFIGHT, o modo história, falha miseravelmente, mas felizmente não é um jogo que depende tanto do seu desenvolvimento para cativar.

Boa parte dos esforços foram depositados na singela mecânica de combate. Sem combinações de botões típicas do gênero você simplesmente golpeia até derrubar seu adversário. A sacada é avaliar quem você está enfrentando e golpear contra seu estilo de luta aproveitando as oportunidades. O jogo aposta na dinâmica das lutas, portanto você enche a barra para dar um combo ou especial, agarra seu oponente ou objetos, e continua descendo a porrada, sempre aproveitando as regalias que são oferecidas.

O aprofundamento dos combates está no domínio das possibilidades, alguns golpes são mais apropriados que outros em algumas situações, uma defesa no momento certo faz toda diferença, e itens e transformações estão no jogo para serem aproveitados. Há itens exclusivos para cada estágio, utilizá-los a seu favor, e memorizar qual estágio estão presentes lhe dar grandes vantagens. O nível máximo da apelação acontece quando você coleta três tipos de partículas capazes de transformá-lo em um ser monstruoso de força descomunal.

LASTFIGHT: Tá saindo da jaula o monstro!!!
Tá saindo da jaula o monstro!!!

Os estágios bem arquitetados fazem toda diferença na hora da porradaria, alguns possuem áreas escaláveis, outros pequenas profundidades, e tem aqueles que simplesmente adotam uma estrutura plana. O planejamento estrutural único de cada estágio influencia significativamente no ritmo das lutas, estimulando diferentes maneiras de descer a porrada. Os estágios ficam ainda mais interessantes com os objetos e itens espalhados por todos os lados.

O jogo oferece uma boa quantidade de modos, então dar para lutar convencionalmente, enquanto sobreviver, arremessando bolas, e até cumulativamente. É possível jogar com até quatro jogadores localmente na maioria dos modos, e quanto mais, melhor.

Quando você reuni sua galera de sofá a porradaria rola solta. É muita bagunça, loucura e diversão. Enquanto amigo A derruba amigo C com um soco pesado, amigo B arremessa objeto em direção ao amigo A, e a porrada continua de todas as maneiras que a partida possibilitar, até todo mundo cair ou uma das equipes, depende do modo escolhido.

LASTFIGHT: Corre não! Segura essa!
Corre não! Segura essa!

A IA do jogo é fraca e deixa muito a desejar. Amantes de lutas desafiadoras ficarão desapontados. Depois que você pega os macetes do jogo, dificilmente será desafiado por algum personagem de IA, necessitando de alguém habilidoso para poder aproveitar ao máximo suas habilidades. Talvez se houvesse opções que possibilitassem aumentar o nível de dificuldade e adicionar desafios nos estágios, o jogo conseguisse estimular o jogador mais solitário.

Tecnicamente LASTFIGHT é bem produzido, dispõe de visuais caprichados, sons e trilha sonora competente, mas deixa os pequenos detalhes de lado, passando uma sensação de jogo mal acabado.

A porradaria de LASTFIGHT é descompromissada e deveras divertida, mas é recomendada na presença de uma ou mais pessoas.

Um cara de vinte e poucos anos apaixonado pelas coisas pequenas da vida. Desenvolvedor e ascendente escritor. É editor no Joguindie, seu maior xodó. Sua vida é repleta de coisas para fazer, pouco tempo para si, muito trabalho árduo e determinação. Gosta de jogar, ouvir músicas, ler quadrinhos, assistir filmes e animes, comer salgadinho, beber refrigerante, ficar em casa, e tantas outras coisas simples, mas valiosas para sua vida.

Deixe um comentário

Mais recente em Análises

[Análise] Slayaway Camp

Slayaway Camp homenageia os filmes de terror clássico de maneira cômica através
Ir ao Topo